DA IMPORTÂNCIA DO CONCEITO DE AUTENTICIDADE EM MARTIN HEIDEGGER E DE SEUS ASPECTOS EMANCIPATÓRIOS PARA O DIREITO

Milena Tarzia

Resumo


Este ensaio pretende elucidar as possíveis relações existentes entre os conceitos de autenticidade/inautenticidade (eigentlichkeit e uneigentlichkeit), propostos por Martin Heidegger e as novas concepções emancipatórias do Direito contemporâneo. Para tanto, ainda que de modo superficial e didático, será realizada a análise do conceito, por intermédio, principalmente, da primeira parte da obra Ser e Tempo, afastando-se dos jargões insinuados por Adorno, aproximando-se, no entanto, de um universo jurídico particular: o da colaboração e do diálogo participativo. O que se quer é compreender melhor os processos existenciais pelos quais o homem perpassa e quais as implicações destes processos para o Direito. Por fim, almeja-se concatenar autenticidade/inautenticidade e Direito, a fim de que se alcancem as possibilidades emancipatórias sugeridas. 


Texto completo:

PDF

Referências


ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. São Paulo, Martins Fontes, 1982.

ADORNO, Theodor W. The Jargon of Authenticity. Routledge & Kegan Paul. Londres, 1973.

ARVON, Henri. A Filosofia Alemã: A Filosofia Existencialista. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1978.

GADAMER, H. G. Verdad y Método II. Salamanca, Sígueme, 1992.

GARAPON, A; PAPAPOULOS, I. Julgar nos Estados Unidos e na França: cultura jurídica francesa e Common Law em uma perspectiva comparada. Rio de Janeiro, Lumen Juris, 2008.

HEIDEGGER, Martin. Ser y Tiempo. Edición Electrónica, Escuela de Philosophia Universidad ARCIS, Santiago, 1988.

____________. Ser e Tempo. Vozes, Petrópolis, 1993.

____________. The way back into the ground of Metaphysics: publicado em Existencialismo: De Dostoevsky a Sartre. Meridian Books, Nova York, 1956.

MARTON, Scarlet. Nietzsche: das forças cósmicas aos valores humanos. Belo Horizonte, UFMG, 2000.

NETTO, Edgar de Brito Lyra. Sobre o pensamento filosófico e sua sobrevivência no mundo técnico. PUC-RIO, Rio de Janeiro, 2003.

OLSON, Robert G. Introdução ao existencialismo. Brasiliense, São Paulo, 1970.

SARTRE, Jean-Paul. O Existencialismo é um humanismo. Presença, Lisboa, 1984.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Milena Tarzia